1966817_599533370141396_1200608813_nLendo um post no qual foi relatado como ocorreu o parto de uma leitora, parei para lembrar o meu próprio parto, lembrei-me também da primeira mamada da Larah, o primeiro banho, e consequentemente refleti em como minha vida mudou. Por mais que imaginamos e saibamos que tudo mudará, não temos a mínima ideia de como realmente é, até que isso de fato aconteça.

O dia que minha vida foi transformada

Faz apenas seis meses, mas, foi um divisor de águas em minha vida, vejo que foi ali, naquela maternidade que se iniciou a maior transformação pela qual estou passando. Digo passando porque ainda estou sendo moldada, transformada, melhorada… E sei que este processo continuará por muito tempo. Não dá para voltar atrás – e não estou falando do corpo (porque essa é a parte que menos mudou e a que menos importa), estou falando de voltar a ser aquela pessoa de antes.

Quando nasce um filho, a responsabilidade triplica, passamos a nos preocupar mais com algumas coisas que antes não nos preocupávamos tanto, tipo com a própria saúde (apesar de não ter tempo de ir ao médico, só sobra tempo para o pediatra..rs), sempre penso que quero viver para ver minha filha casada e com filhos (cedo pra isso né?), me preocupo com a escassez da água e com a poluição pois isso afetará o futuro da Larah.

Deixamos de sermos filhos para sermos pais e consequentemente deixamos de ser protegidos para proteger.

E todas estas preocupações e responsabilidades muitas vezes nos faz chorar, nos faz mais sensíveis com alguns assuntos.

E esta emoção a flor da pele, eu acredito ser pelo fato do nosso coração estar sendo moldado, sendo preparado para caber tanto amor. E por falar em amor, é tanto amor que cresce dentro da gente que muitas vezes me assusta, me amedronta, sinto que não caberá dentro de mim.

Achamos que não iremos conseguir dar conta, que nunca mais teremos um momento de paz, que nossa vida se resumirá à rotina pesada.

Mas o dia em que um filho nasce, nasce também uma mãe. Na verdade, nós renascemos para uma nova vida, e encontramos força e coragem onde nem sabíamos que existiam.

Percebemos que a única direção a seguir é para frente. E aos poucos damos adeus à pessoa que fomos um dia e recebemos nosso novo “eu” com uma sensação de que mudamos para melhor e nessa nova pessoa que somos, temos a companhia das pessoas mais importantes de nossas vidas, nossos filhos.