Acompanhar o desempenho escolar das crianças é uma tarefa importantíssima para os pais. Afinal, é na escola que elas aprenderão os primeiros conceitos que vão moldar sua forma de agir e guiar escolhas importantes. Porém, salvo algumas exceções, algum dia seu filho vai tirar uma nota baixa. E aí, qual é a maneira certa de agir quanto as notas escolares?

notas escolares

notas escolares

Primeiramente, precisamos urgentemente entender que uma nota não é capaz de definir a capacidade de ninguém. Um dez em matemática na quarta série não garante que seu filho seja um futuro engenheiro de sucesso. Da mesma forma, uma nota baixa também não representa o total fracasso. Existem inúmeras formas de aprender e de testar conhecimentos. Talvez o seu filho tenha um método próprio de aprendizado, que não condiz com o que é cobrado em uma prova.

É por isso que, ao se deparar com uma nota baixa, o papel dos pais é entender o que motivou aquele desempenho. A melhor forma de descobrir isso é pelo diálogo. Converse com seu filho, entenda se ele conseguiu compreender o conteúdo, se algo o atrapalhou no dia do teste, se faltou estudo, entre outras possibilidades. Dependendo do caso, vale também conversar com professores para entender “o outro lado da moeda”, além de poder captar uma opinião mais embasada, de quem está diretamente ensinando a criança.

O fundamental é não pressionar seu filho para tirar boas notas. Evite ao máximo dar prêmios por notas altas ou punições por mau desempenho. Com esse tipo de atitude, você passa a impressão de que a prova é uma avaliação que define se seu filho é bom ou ruim. E isso pode ser péssimo para a criança.

Ao invés de nos preocuparmos com números e avaliações, vale mais a pena investigar se seu filho está desenvolvendo outros tipos de habilidade. Como ele enxerga o mundo? Ele está desenvolvendo bem seu senso crítico? E como estão seus valores éticos e o discernimento entre certo e errado?  O conteúdo escolar é importante, mas acredito que o essencial é a capacidade de aprendizado e desenvolvimento como ser humano.

Por fim, minha última dica é deixar que as crianças tenham independência para fazer suas tarefas de casa e trabalho. Esteja sempre presente caso elas precisem de ajuda, mas garanta que os pequenos tenham espaço para trilhar os próprios caminhos e aprender da maneira que acharem melhor.

Portanto, não se desespere. Uma nota ruim não significa, necessariamente, um déficit de aprendizado. Atente-se e procure auxílio se isso for frequente, mas antes de punir ou julgar seu filho, procure entender ao lado dele o que fazer para melhorar. Se seguir esses passos, além de ajudá-lo no desempenho escolar, será um grande suporte para diferentes situações da vida!